Um Modelo De Comunicação
16/11/2017 - 16h32 em Família

Muitos casais estão sofrendo por causa da comunicação, que não se estabelece de forma clara, respeitosa e amorosa. Costumo dizer que a comunicação para funcionar, ela precisa ser falada, ouvida e compreendida de forma clara pelo nosso cônjuge e vice versa. Se por algum motivo ou outro, uma dessas partes da comunicação falhar, ela será distorcida, não compreendida sem êxito algum. Não queremos apresentar um estudo aprofundado e sim modelo básico pautado na palavra de Deus, para que a nossa comunicação seja compreendida.

Muitas vezes, ouvimos os adultos dizerem coisas do tipo: “Eu acho que teria me dado melhor com a minha mãe e pai se tivéssemos conversado mais. ”

Agora que é pai e mãe, você tem chance de criar um novo modelo.

                Em Jesus, temos um grande modelo do que significa estar à disposição de nossos filhos. Nosso Senhor disse: Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e com ele cearei, e ele comigo (Ap 3. 20). Esta imagem de um Deus amoroso que está ansioso por passar tempo em comunhão com aqueles que ouvem. Sua voz é uma imagem de como nossos filhos deveriam ver-nos.

                Uma família espiritualmente forte está edificada sobre um alicerce relacional de concreto. Revele aos seus filhos seus valores, expectativas, metas e sonhos para eles, para sua família e para si mesmo. Pergunte-lhes quais são as preocupações, sonhos e objetivos deles. As palavras por si só não expressam o amor; conversar com seus filhos de um modo que demonstre interesse e um forte desejo de envolver-se na vida deles. Fazer isso Mesmo durante a adolescência, quando seus adolescentes podem agir como não estivessem interessados em uma conversa com você, continue a buscar e manter as linhas de comunicação abertas.

Relacionamentos entre pai, mãe e filho, são formados quando fazemos praticamente o seguinte:

                - Compartilhe lembranças. Férias, aventuras, passeios com seus filhos, ou qualquer outra coisa que vocês tenham feito juntos, formam um reservatório de experiências recíprocas.

                - Não desista. Quando eles recuarem diante de seus padrões, valores ou autoridade continuem a expressar amor para eles.

                - Viva diariamente com eles. Preste atenção neles. Converse com eles e não apenas fale coisas para eles. Ouça em vez de dá sermões.

                Tudo isso faz parte da estrutura que forma um relacionamento com seu filho. As conversas podem, por fim, fortalecer a confiança e a base de seu relacionamento com ele. E esta conversa amorosa começa quando seu filho ainda está no ventre. Ela aumenta e amadurece durante o desenvolvimento da criança, para que, quando seu filho chegue à fase adulta, vocês possam conversar como amigos da mesma idade.   

 

  Autores: Presbítero Thiago Santos e Diáconisa Júlia Santos. 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!